Carregando...

Manutenção corretiva: Um checklist para usar durante e depois dela.

Manutenção corretiva: Um checklist para usar durante e depois dela.

Em novembro do ano passado publiquei no blog três artigos que falavam sobre manutenção corretiva.

Era uma história, dividida em três partes, sobre um gerente de uma planta industrial no interior do país que tinha de lidar com uma manutenção corretiva de longa duração num momento em que era crucial atingir as metas de produção.

Cada post tinha cinco dicas de como lidar com uma manutenção corretiva. Agora apresento todas as dicas na forma de um checklist. Você poderá fazer o download dele para usar com sua equipe sempre que necessário.

Vamos as dicas então. Nelas nos referimos sempre a uma instalação industrial, mas são aplicáveis também a equipamentos.

1ª Dica: O foco é resolver o problema rapidamente e com segurança

Numa manutenção corretiva a prioridade é colocar a instalação para funcionar o mais rápido possível. Ela devia estar operando e produzindo naquele momento. As dicas abaixo indicam um caminho para fazer a corretiva com rapidez.

Isto tem que ser feito com segurança: Se alguém chegou para trabalhar na corretiva sem os EPI’s (equipamentos de proteção individual) necessários, ele tem que ir buscá-los antes de iniciar a trabalhar.

Expor as pessoas a riscos de segurança e saúde para concluir a manutenção mais cedo não é aceitável. É proibido.

2ª Dica: Colete informações e monte o quebra-cabeça

Qualquer início de manutenção corretiva se caracteriza por falta de informações: Qual a causa? Houve acidentes pessoais? Quanto tempo demorará para resolver?

Colete as informações e monte este quebra-cabeças, mas lembre-se que você nunca terá todas as informações. Colete o mínimo necessário para você tomar decisões de qualidade.

3ª Dica: Seja realista nos prazos de uma manutenção corretiva

Tão logo você saiba da manutenção corretiva, é provável que você tenha de comunicá-la ao seu superior na empresa. Ele com certeza vai te perguntar quanto tempo a instalação ficará parada.
Não seja otimista nem pessimista na previsão, seja realista, mesmo que a realidade não seja boa.

Tenho um amigo que sempre diz “é melhor ficar vermelho uma vez do que amarelo todo o dia”. Fique vermelho uma vez com uma previsão realista. Evite ficar amarelo todo o dia com uma previsão otimista.

Outra coisa, as previsões podem mudar, para melhor ou para pior, ao longo do trabalho. Mantenha seu superior informado.

4ª Dica: Procure resolver os problemas e não procure culpados

Manutenções corretivas podem ser situações de estresse para os envolvidos. Nestas situações as pessoas envolvidas podem começar a procurar um culpado no lugar de procurar resolver o problema.

Não existem culpados nem culpas. Existem sim responsáveis e responsabilidades e isto deve ser avaliado posteriormente, quando se conhece todos (ou quase todos) os aspectos do evento.

A prioridade agora é resolver o problema.

5ª Dica: Você é o capitão de um navio no meio de uma tormenta

Você é o gerente ou líder da equipe que tem que lidar com a manutenção corretiva. Sua equipe é capacitada e comprometida.

As pessoas da sua equipe necessitam de sua orientação para atuarem de maneira eficaz. Eles vão olhar para você em busca disso, tal como os marinheiros olham para um capitão no meio de uma tormenta nos livros de Joseph Conrad.

Manutenção corretiva - Mais 5 dicas do que fazer

Joseph Conrad, nome de batismo Józef Teodor Nałęcz Korzeniowski (1857 – 1924) foi um escritor britânico de origem polonesa. Muitas de suas obras centram-se em marinheiros e no mar.

6ª Dica: Uma manutenção corretiva e diversas frentes de trabalho

Uma coisa que você sempre tem que ter em mente é que manutenções corretivas grandes, sempre tem mais de uma frente de trabalho. Não basta você se dedicar a frente principal, pois uma vez que ela esteja resolvida, restarão as outras. Você tem que atuar nas várias frentes simultaneamente. Mesmo que a principal demande a maior parte dos recursos, as outras frentes devem ser olhadas em paralelo.

7ª Dica: Não despreze soluções temporárias

Você está no meio de uma manutenção corretiva e sabe que aquela instalação terá uma manutenção programada daqui uma semana.

Não é pecado nenhum colocar a instalação para “rodar” através de uma solução temporária, se ela for mais rápida que a solução definitiva. Na parada programada será dada uma solução definitiva.

Quando não usar? Quando é grande a possibilidade da solução temporária “não rodar” até a manutenção programada e quando ela trouxer riscos de segurança e saúde.

8ª Dica: Tudo por uma previsão

Alinhe com a equipe uma meta de quando concluir a manutenção preventiva. Eles necessitam deste norte. Se necessário, revise a previsão com o seu superior.

9ª Dica: Heróis não são permitidos

Jornadas excessivamente longas ou pessoas que se arriscam na execução dos serviços, como se fossem (super) heróis, não são permitidos numa manutenção corretiva.

Lembre-se, devemos fazer o que for possível para reduzir a duração de uma manutenção, exceto colocar em riscos as pessoas que estão trabalhando nela.

Se você tiver um “herói” na sua equipe, tire a capa dele (rsrsrs).

10ª Dica: Distribua os recursos

Gerenciar é, na maioria das vezes, decidir sobre qual a melhor distribuição de recursos, que sempre são (em algum grau) escassos.

Se você tem em sua equipe quatro supervisores, que participarão na manutenção corretiva, faça a distribuição adequada deles pelas frentes de trabalho e pelas equipes de revezamento, caso a corretiva se estenda por mais de 12 horas.

Todos os outros recursos devem ser adequadamente distribuídos pelas frentes de trabalho e pelas equipes de revezamento.

Dica bônus: Você vai ter que contar até 10 (ou 100)

Seja paciente com os percalços de uma manutenção corretiva. Lembre-se, você está trabalhando para trazer ordem e eficiência para algo que é “entropia pura”. Não é uma tarefa fácil.

Entropia é a medida do grau de desordem de um sistema. É uma grandeza física relacionada a Segunda Lei da Termodinâmica e tende a aumentar naturalmente no Universo.

Se necessário conte até 10 ou 100 (rsrsrs).

As dez dicas anteriores e a dica bônus são para serem usadas durante a corretiva. As cinco dicas que seguem são para serem usadas após a manutenção. Elas buscam responder a seguinte pergunta: Que lições a manutenção corretiva trouxe para você e sua equipe?

11ª Dica: Na procura da causa fundamental

É muito comum você resolver uma manutenção corretiva sem saber realmente a causa do problema. Vou dar um exemplo simples: Você substituiu uma lâmpada queimada, ou seja, você fez uma manutenção corretiva, sem saber a causa (fundamental ou raiz) da queima dela.

Clique aqui para saber mais sobre causa raiz.

Após a corretiva investigue a causa raiz. Use ferramentas tais como “O Método dos 5 Porquês” ou o “Diagrama de Ishikawa” .

12ª Dica: Para o problema não se repetir

Uma vez que você conhece a causa raiz, bloqueie ela. Verifique se ela pode ocorrer em outros pontos da instalação. Se isto for possível, bloqueie lá também.

Se você usa padrões ou procedimentos operacionais, revise-os como parte das ações para bloquear a causa raiz.

13ª Dica: E as lições aprendidas para a segurança?

Durante uma manutenção corretiva você pode ter eventos de segurança e saúde, desde condições de risco que foram bloqueadas, passando por acidentes materiais indo até acidentes pessoais.

Se estes problemas ocorrerem, você deve avaliá-los e verificar que lições você e sua equipe podem aprender. Revise padrões e procedimentos se necessário.

14ª Dica: Vamos compartilhar as lições aprendidas?

Considere divulgar a manutenção corretiva, sua causa raiz, ações tomadas e lições apreendidas para as outras instalações ou áreas da empresa.

Caso elas estejam expostas a mesma causa raiz, eles terão a oportunidade de bloqueá-la antes que um problema ocorra.

15ª Dica: É possível minimizar as perdas?

Toda a manutenção corretiva, por melhor que tenha sido a atuação sua e da sua equipe, traz perdas. Sempre avalie o que é possível fazer para minimizar estas perdas.

Faça aqui o download do checklist de manutenções corretivas. Use também para conversar com sua equipe como lidar com este tipo de evento.

Boa sorte.

Alexandro Avila de Moura
Engenheiro Mecânico graduado na UFRGS. Especialização em Gestão Estratégica (USP) e Gerenciamento de Projetos (Pitágoras). Mestrado em Administração incompleto (PUC MG). Experiência de mais de 25 anos no setor de mineração, especificamente nas áreas de gestão de operação, manutenção e desenvolvimento de projetos, liderando grandes equipes. Certificado como PMP (Project Management Professional) pelo PMI (Project Management Institute). Número PMP 182 8522. Experiência também nas áreas de segurança e saúde ocupacional, meio ambiente e relacionamento com comunidades e na área financeira.

3 pensamentos em “Manutenção corretiva: Um checklist para usar durante e depois dela.

  1. Leonardo Silva disse:

    Excelente artigo.
    Lição aprendida, identificar e bloquear a causa para evitar futuras corretivas.

  2. Carzino Lopes disse:

    Muito bom Alexandro!

  3. Nercy Grabellos disse:

    Muito boas dicas, só assim conseguimos prevenir problemas com a manutenção dos equipamentos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *