Carregando...

O Método dos 5 Porquês: Em busca da causa raiz

Você conhece o método dos 5 Porquês para a determinação de causa raiz?

No post anterior falamos sobre problemas crônicos (ou recorrentes) e causas raízes. Nele afirmamos que, sabendo qual é a causa raiz de um problema crônico, podemos eliminá-lo.

A pergunta que naturalmente surge é: Como determinar a causa raiz? Existem vários métodos para a determinação delas, sendo os dois mais usuais:

  • Os 5 Porquês;
  • Diagrama de Ishikawa.

Neste post vamos falar sobre “Os 5 Porquês”.

O Método dos 5 Porquês

Este método consiste em você perguntar 5 vezes seguidas por que um problema. Use a primeira resposta para formular a segunda pergunta e assim sucessivamente até chegar à causa raiz. Se pareceu um pouco confuso, não se preocupe, na sequência temos um exemplo que deixará tudo claro.

Por outro lado, você que é pai provavelmente já viveu uma situação em que o filho aplicou este método com você. Tem uma fase em que as crianças são prolíficas no uso dos “porquês” (rsrsrs).

O método dos 5 Porquês foi desenvolvido pelo engenheiro japonês Taiichi Ohno na década de 1970. Ele é considerado um dos principais criadores do Sistema de Produção Toyota.

De acordo com Taiichi Ohno, em média são necessárias 5 perguntas para chegar a causa raiz. Ou seja, na prática você pode chegar a causa raiz com um pouco menos (ou mais) do que 5 porquês.

Um dos quatro exemplos de problemas crônicos do post anterior era o seguinte: Na instalação industrial onde você trabalha, você já está cansado de trocar, a cada 2 meses, sempre o mesmo rolamento de um determinado equipamento, o qual deveria rodar mais de 3 anos sem dar problema.

Vamos usar esta situação para demonstrar a aplicação do método.

Aplicando o método

Você é o responsável pela manutenção da instalação industrial onde está ocorrendo o problema crônico com os rolamentos.

Você reuniu sua equipe para fazer um brainstorming sobre este problema. Ele serviu para melhorar o entendimento do problema e elencar potenciais causas.

O problema foi definido como “quebra prematura de rolamento”. Lembra dos 2 meses?

Se você não sabe o que é rolamento, vou explicar. Você, quando criança, brincou de carrinho de lomba ou de rolimã? A roda ou rolimã destes brinquedos é um tipo de rolamento. É um componente mecânico muito comum. Existe em diversos tamanhos. Aliás, o spinner do seu filho possui rolamentos. É através dos rolamentos que eles giram (rsrsrs)

Após o “aquecimento” propiciado pelo brainstorming, você começou a perguntar.

1ª Pergunta

XXX– Por que está ocorrendo a quebra prematura dos rolamentos?
XXX– Porque a gaiola das esferas está quebrando, – respondeu uma das pessoas da equipe de manutenção.

Se você também não sabe o que é gaiola das esferas, não se preocupe (rsrsrs). Muitos rolamentos usam esferas internamente. Outros usam rolos. São estas esferas ou rolos que permitem o movimento de giro do rolamento. Sejam esferas ou rolos, todos eles têm que se manter numa posição ordenada para o rolamento funcionar. A gaiola é uma moldura, na falta de outra palavra, que garante isto. Ela pode ser de diversos materiais, inclusive metais.

2ª Pergunta

XXX– Por que as gaiolas estão quebrando?
XXX– Devido desgaste excessivo, – respondeu outra pessoa da equipe.

Atente que as respostas têm de ser baseadas em fatos. Opiniões e palpites não valem.

3ª Pergunta

XXX– Por que as gaiolas estão sofrendo desgaste excessivo?
XXX– Porque está ocorrendo contaminação do rolamento com material sólido. Um pó bastante abrasivo.

4ª Pergunta

XXX– Por que está ocorrendo esta contaminação?
XXX– Devido a queda de material na forma de granel sobre o equipamento. E deste material que sai o pó abrasivo.

5ª Pergunta

XXX– Por que está ocorrendo a queda deste material?
XXX– Porque há um furo na estrutura de outro equipamento localizado acima do equipamento onde está o rolamento. Precisamos consertar aquele furo.

Agora que a causa raiz, furo no outro equipamento, foi definida talvez você necessite de um plano de ação para eliminá-la.

Veja como a causa raiz está se afastando de onde ocorre o problema crônico. Este afastamento é comum. Este é um dos fatores que dificulta uma associação mais imediata entre problema e causa.

O diagrama abaixo mostra o caminho que você percorreu aplicando este método.

5 Porquês

No exemplo acima, obviamente existe espaço para mais perguntas, agora relativas ao equipamento furado. Conforme já comentado a quantidade de 5 porquês é uma referência.

Outras características dos 5 Porquês

Por que escolhi iniciar nossas conversas sobre métodos para determinação da causa raiz com os 5 Porquês?

Escolhi iniciar por este método porque ele é prático, rápido, não demanda consultores especializados nem outros recursos especiais, como softwares estatísticos.

Além disso, não é só aplicável a problemas de manutenção. Ele pode ser usado para tratar problemas nas áreas de operação, vendas, administrativa e outras.

A única coisa complica neste método é a palavra “Porquê” (rsrsrs), que na língua portuguesa pode ser escrita de quatro maneiras (por que, por quê, por que e porquê), dependendo da situação!

Obviamente problemas mais complexos demandarão outros métodos mais sofisticados, mas certamente a maioria dos problemas podem ser tratados com os 5 Porquês com sucesso.

No próximo post desta série falaremos sobre outro método para determinação de causa raiz, o Diagrama de Ishikawa.

Espero vocês lá.

Alexandro Avila de Moura
Engenheiro Mecânico graduado na UFRGS. Especialização em Gestão Estratégica (USP) e Gerenciamento de Projetos (Pitágoras). Mestrado em Administração incompleto (PUC MG). Experiência de mais de 25 anos no setor de mineração, especificamente nas áreas de gestão de operação, manutenção e desenvolvimento de projetos, liderando grandes equipes. Certificado como PMP (Project Management Professional) pelo PMI (Project Management Institute). Número PMP 182 8522. Experiência também nas áreas de segurança e saúde ocupacional, meio ambiente e relacionamento com comunidades e na área financeira.

1 pensamento em “O método dos 5 Porquês: Em busca da causa raiz

  1. Nercy Grabellos disse:

    Gostei muito desse método, pode ser utilizado em várias situações,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *