Carregando...

Inspeção: Como se antecipar aos problemas na manutenção

Inspeção: Como se antecipar aos problemas na manutenção

Hoje eu vou falar sobre o processo de manutenção que eu julgo o mais importante de todos, a Inspeção. Estou escrevendo este post para leigos também. Assim, farei uma introdução um pouco mais longa que o normal, mas vai valer a pena.

A lâmpada e o pneu

Vamos começar com dois exemplos banais de manutenção:

  • A lâmpada da sala da sua casa queimou. Imediatamente após o ocorrido, você buscou aquela escadinha que fica escondida no canto da dispensa e a trocou.
  • Você está constantemente observando o desgaste dos pneus do carro da tua esposa. Eles ficaram excessivamente gastos e, antes que eles estourassem, você os substituiu naquele sábado de manhã que você queria ficar na cama dormindo até tarde.

São exemplos banais que fazem parte do dia a dia de qualquer pessoa, mas eles contêm importantes conceitos de manutenção.

No caso da lâmpada, você esperou que ela queimasse, ou seja, apresentasse um problema para então você corrigir. A substituição da lâmpada foi uma manutenção corretiva (associação direta com o ato de “corrigir”). A manutenção não foi programada, ou seja, você não sabia exatamente quando ela ia ocorrer.

No caso do pneu, você não esperou que ele estourasse. A substituição do pneu foi uma manutenção preventiva (associação direta com o ato de “prevenir” o estouro). A manutenção foi programada, você sabia quando ele ia ocorrer. No tal sábado pela manhã (rsrsrs).

Conceito de manutenção: Usualmente manutenções corretivas não são programadas e manutenções preventivas são programadas. As exceções a esta regra não precisam ser abordadas agora neste post.

Preventiva sim! Corretiva não!

Vamos voltar ao exemplo do pneu. O que aconteceria se você decidisse fazer esta manutenção corretivamente?

Você só trocaria o pneu quando ele estourasse. Imagine a seguinte situação: Sua esposa indo para o trabalho, dirigindo a 100 km/h (ela trabalha fora da cidade e usa uma rodovia todo o dia) e o pneu estoura. Se ela perder o controle do carro pode haver uma colisão com danos ao seu carro e ao carro de terceiros. Nem vamos pensar na possibilidade da sua esposa ou terceiros se machucarem. Ou seja, trocar o pneu corretivamente pode custar muito mais caro que preventivamente.

Conceito de manutenção: Muitas manutenções, se executadas corretivamente, custam mais caro e demandam mais tempo que as respectivas preventivas. O Caso da lâmpada é uma exceção.

Se expandirmos o conceito acima para uma frota de equipamentos ou uma instalação industrial, onde diversos equipamentos podem apresentar problemas simultaneamente, fica evidente que a manutenção destes ativos deve ser essencialmente preventiva (ou programada).

Inspecione, inspecione e inspecione

Para você fazer manutenções preventivas (e programadas) você terá de se antecipar a falha. Como fazer isto? Inspecionando continuamente e sistematicamente os equipamentos ou a instalação.

Voltando ao exemplo dos pneus, lembre-se que eu escrevi “Você está constantemente observando o desgaste dos pneus do carro da tua esposa”. Neste exemplo o “constantemente observando” significa “inspecionando continuamente”.

Inspecionar não é uma coisa conceitualmente complicada. Quando você vai buscar seu carro no lava-jato você o inspeciona visualmente para conferir se a limpeza foi bem-feita ou se (eventualmente) o pessoal do lava-jato avariou ele ao manobrá-lo.

Que tipos de inspeção existe?

O tipo mais básico de inspeção é a Inspeção Sensitiva.

Conceito de manutenção: Como o nome sugere, a Inspeção Sensitiva é aquela que usa os sentidos (audição, olfato, tato e visão).

Veja o exemplo abaixo:

  • Audição – Um determinado equipamento iniciou a fazer um ruído estranho.
  • Olfato – Outro equipamento começou a apresentar cheiro de “algo queimando”.
  • Visão – Um terceiro equipamento apresentou uma trinca visível a olho nu na estrutura.

Existem inspeções mais sofisticadas que a sensitiva, baseadas em medição de vibração, ultrassom ou outras tecnologias. Para tanto são necessários alguns instrumentos e pessoal treinado. É a Inspeção Preditiva. Uma alternativa é contratar um prestador de serviço para fazer estas inspeções para você.

Conceito de manutenção: A Inspeção Preditiva monitora os equipamentos através de medição de vibração, ultrassom e outros. Os dados coletados são analisados para determinar o estado do equipamento.

Outra opção é o equipamento já possuir instrumentação e automatismos que monitorem as condições de dele continuamente e disparem alarmes quando algum problema ocorrer. Este tipo de solução é que está por trás das luzes espias dos automóveis modernos.

O que é luz espia? São aqueles símbolos no painel do carro que acendem inesperadamente (rsrsrs).

Independente do tipo de inspeção, ela permite que você se antecipe a quebra e paralisação do equipamento ou instalação.

Muitas empresas não têm inspeção (Outras acham que tem, mas estão se enganando)

Agora eu pergunto, na empresa onde você trabalha existe uma rotina de inspeção para equipamentos ou instalações?

Na verdade, muitas empresas não têm este processo rodando e suas manutenções são essencialmente corretivas. Isto acarreta perda de tempo e desperdício de recursos.

Outras empresas acham que tem inspeção, mas não verdade tem um arremedo de processo que traz pouco resultado prático. Acredite, isto ocorre com mais frequência do que você imagina.

O que fazer então para ter uma inspeção que funcione? Seguem algumas dicas:

7 Dicas para implantar uma inspeção

1ª Dica

Se você não tem um processo de inspeção, não complique e comece focando na Inspeção Sensitiva. Para quem não tem nada, os ganhos da Sensitiva são enormes.

2ª Dica

Engenheiros adoram tecnologia e os que trabalham com você provavelmente estão “sedentos” por implantar a Inspeção Preditiva. Vamos dar um passo de cada vez. Estabeleça a seguinte condição para eles: vocês só investirão numa Preditiva depois que a Sensitiva estiver consolidada.

3ª Dica

Fazer inspeção em equipamentos ou instalação significa colocar os inspetores em campo. Para cada equipamento deve haver um checklist. Nele consta uma relação dos itens que devem ser inspecionados em cada equipamento, uma descrição da condição normal para este item e um campo para anotar os desvios encontrados.

4ª Dica

Todos os desvios devem ser comunicados a equipe de planejamento, programação e controle (PPC) de manutenção para que eles sejam tratados antes que o equipamento pare.

5ª Dica

Para garantir que todos os equipamentos sejam inspecionados devem haver rotas de inspeção. Para cada dia deve haver uma rota, ou seja, uma sequência diferente de equipamentos a serem inspecionados. A soma de todas as rotas deve abranger todos os equipamentos.

Com checklists e rotas de inspeção obtém-se continuidade nas inspeções.

6ª Dica

As rotas e os checklists devem ser revisados na medida que o processo de inspeção for se consolidando. É o Ciclo PDCA (plan-do-check-act) rodando.

O PDCA tornou-se popular pelo Dr. W. Edwards Deming, que é considerado como o pai do controle de qualidade moderno. Que saber mais sobre Deming acesse a pagina do The W. Edwards Deming Institute.

7ª Dica

Lembre-se, os inspetores (técnicos, mecânicos ou eletricistas) devem ser treinados no uso dos checklists. Não basta entregar o formulário para eles.

Para finalizar, garanto a você que implantar Inspeção Sensitiva não é complicado e que os ganhos valem todo o esforço. Pense nisso.

No próximo post falaremos mais em detalhes sobre os checklists, Quem sabe pinta até um template (rsrsrs).

Depois de falaremos, num outro post, de como tratar os desvios, ou seja, potenciais problemas detectados numa inspeção.

Encontro vocês lá.

Alexandro Avila de Moura
Engenheiro Mecânico graduado na UFRGS. Especialização em Gestão Estratégica (USP) e Gerenciamento de Projetos (Pitágoras). Mestrado em Administração incompleto (PUC MG). Experiência de mais de 25 anos no setor de mineração, especificamente nas áreas de gestão de operação, manutenção e desenvolvimento de projetos, liderando grandes equipes. Certificado como PMP (Project Management Professional) pelo PMI (Project Management Institute). Número PMP 182 8522. Experiência também nas áreas de segurança e saúde ocupacional, meio ambiente e relacionamento com comunidades e na área financeira.

1 pensamento em “Inspeção: Como se antecipar aos problemas na manutenção

  1. Nercy Grabellos disse:

    Que bom, é aquele velho ditado “é melhor prevenir do que remediar”, até na nossa vida cotidiana temos que observar esse preceito, imagine no trabalho que dependemos de equipamentos funcionando bem, para a realização das tarefas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *